domingo, 10 de fevereiro de 2013

ANJOS, SUA NATUREZA E FUNÇÃO

INTRODUÇÃO

Os anjos foram criados por Deus para o seu serviço e sua glória. São seres espirituais criados com a mais alta distinção entre todos os seres vivos criados por Deus. Eles exercem atividades importantes no mundo espiritual, dentro dos limites em que foram criados. Em toda a Bíblia, vemo-los guiando, encorajando, suprindo e livrando o povo de Deus.

I – A REALIDADE DA CRIAÇÃO ESPIRITUAL

  1. A criação espiritual (Ne 9.5,6; Sl 33.6-9; Cl 1.16)
    1. Deus criou os seres espirituais para cumprir os seus propósitos segundo a sua soberana vontade. Os anjos são criaturas racionais inteiramente espirituais, sem poder de procriação, mas dotados de poderes para o exercício de múltiplas funções, nos céus e na terra (Hb 1.14).
  1. Onde habitam esses seres espirituais ?
    1. A Bíblia não aponta nenhum lugar no mundo material como possível habitação dos anjos. A fantasia comercial tem imaginado mundos estranhos nas galáxias onde dizem existir seres extraterrestres. Isso são fantasias e vãs imaginações do espírito humano.
    1. A Bíblia fala de 3 tipos de céus, vejamos: O primeiro céu é o das nuvens, o qual se pode ver a olho nu (Tg 5.18). O segundo céu é o Cósmico que está além das nuvens, do sol, da lua e dos planetas. O terceiro céu é chamado “céu dos céus”, e designa “a morada do Altíssimo” (At 7.49). É um lugar espiritual totalmente inacessível à matéria, aí habitam os santos anjos (Mc 13.32; Gl 1.8; Mt 18.10).
  1. Existem anjos bons e maus
    1. Na criação original dos anjos, não houve essa classificação entre bons e maus. A Bíblia declara que os anjos foram criados no mesmo nível de justiça, bondade e santidade (2 Pe 2.4; Jd 6).
    2. O que define entre bons e maus, é o fato de que foram criados como seres morais com livre-arbítrio, e daí, a liberdade de escolha entre o bem e o mal. A queda de Lúcifer deve-se a esta condição moral dos anjos (Is 14.12-16; Ez 28.12-19).
    3. A Bíblia fala acerca dos anjos que pecaram contra o Criador e não guardaram a sua dignidade (2 Pe 2.4; Jó 4.18-21). Aos anjos que não pecaram e não seguiram a Lúcifer, Deus os exaltou e os confirmou em sua posição celestial e para sempre estarão na sua presença, contemplando e executando a vontade do Criador (1 Tm 5.21; Mt 18.10).
  1. Os anjos são inumeráveis
    1. A quantidade existente de anjos é única e incontável, porque desde que foram criados não foram aumentados nem diminuídos. Eles não procriam e foram criados de uma vez pelo poder da Palavra de Deus (Ap 5.11; Dn 7.10; Dt 33.2; Hb 12.22).
    2. É impossível determinar o número de anjos porque é incontável e é o mesmo número em todos os tempos, desde que foram criados (Sl 148.2-5).

II – A CLASSIFICAÇÃO ANGELICAL

  1. Uma hierarquia angelical
  1. Arcanjo => É um termo cujo prefixo indica a mais elevada posição nessa hierarquia angelical. O prefixo “arc” significa principado, príncipe, chefe. O único nome que aparece nos livros canônicos da Bíblia é o arcanjo Miguel (Jd 9). Esse arcanjo se destaca como uma espécie de administrador e protetor dos interesses divinos em relação a Israel (Dn 12.1) e “príncipe dos filhos de Israel”, porque é o guardião dessa nação.
  1. Querubins => No hebraico o vocábulo “querub” aparece com o sentido de guardar, cobrir. Os querubins são uma classe especial de anjos diretamente relacionados com o trono de Deus (1 Sm 4.4; 2 Rs 19.15;   Is 37.16; Sl 80.1).
  2. Serafins => Este vocábulo deriva-se do hebraico “Saraph” que significa “ardente, brilhante, nobre”. Segundo a Bíblia, eles estão envolvidos diretamente no serviço de adoração ao Deus Todo-Poderoso    (Is 6.1-3). São seres que proclamam e vindicam a santidade divina, louvando-o todo o tempo.


  1. Uma ordem angelical (Cl 1.16)
  1. Tronos => Refere-se a uma classe de anjos que tem uma relação vital com o Trono de Deus, com a sua soberania, essa classe de anjos, sobre os quais Deus se assenta e reina sobre todas as coisas (1 Sm 4.4;     2 Rs 19.15; Sl 80.1). Os querubins se identificam perfeitamente a esta classe de seres angelicais como “anjos-tronos” (Sl 68.17).
  1. Domínios => São uma classe de anjos que executam ordens da parte de Deus sobre as coisas criadas. Eles possuem poderes executivos para atuarem sobre o Universo, e especialmente, sobre a Terra          (Cl 1.16).
  2. Principados => Outro termo muito próximo de dominadores, mas que possuem atividades de príncipes do reino de Deus. Na Bíblia existe um outro “príncipe” das hostes celestiais chamado “Miguel”, o qual exerce seu cuidado providente e protetor sobre a nação de Israel (Dn 10.13).
  3. Potestades => Referem-se a anjos especiais que executam tarefas especiais da parte de Deus. Não poderes isolados, mas são investidos para exercerem atividades especiais (1 Cr 21.15-27; Sl 103.20).

III – QUEM SÃO OS ANJOS ?

  1. Os anjos são criaturas
  1. Negar a criação dos anjos implica em deixar de reconhecer a realidade do mundo espiritual. Os anjos são criaturas de Deus, superiores às criaturas humanas e também dotados de qualidades morais espirituais  (Sl 103.20,21; Jó 38.4,7).
  1. Os anjos são seres espirituais
  1. Eles são espíritos criados sem corpos materiais, portanto, as limitações físicas, próprias dos humanos, os anjos não as têm.
  1. Eles são superiores à matéria e não estão sujeitos à lei da gravidade, por isso, podem locomover-se de um lugar para outro com extrema rapidez (Gn 18.1-10; 28.10-22).
  1. Os anjos são seres pessoais
  1. Eles possuem todos os atributos de personalidade que os homens têm, tais como: inteligência, vontade, sentimento, livre-arbítrio.
  2. Eles pensam, falam, sentem e se comunicam com Deus e com os homens (Sl 148.2; Mt 24.36). Eles conhecem suas limitações e se contentam com tudo o que fazem e podem fazer (Mt 24.36).
  1. Os anjos e suas qualidades e atribuições
  1. Santidade => É um estado dos anjos que servem a Deus, por isso, eles são identificados como “santos” (Ap 14.10; Mt 25.31; Lc 9.26), e isto os distingue dos anjos caídos (Jo 8.44; 1 Jo 3.8-10).
  2. Reverência => É uma característica que envolve louvor e adoração a Deus em cuja presença os anjos o glorificam (Sl 29.1,2; 89.7; 103.20; Is 6.3).
  3. Serviço => É a atividade principal dos anjos de Deus, por isso são chamados de espíritos ministradores (Hb 1.14). Os anjos executam a vontade de Deus, cuidam e protegem os fiéis (Sl 34.7; 1 Rs 19.5-7), punem os inimigos de Deus (2 Rs 19.35; Mt 13.50).

CONCLUSÃO

Com certeza muitos detalhes das nossas curiosidades sobre os anjos não temos respostas, contudo, as informações que temos na Bíblia são suficientes para que estimemos esses seres criados por Deus, sem adorá-los, nem temê-los, certos de que estão em tudo sujeitos à vontade de nosso Pai celestial.

Pr. Wagner Pravato